Família fumante

Família fumante

Durante a gravidez a gente fumava, mamãe e eu. Papai também fumava, lá fora. Isto não faz muita diferença.  Meu baixo crescimento e desenvolvimento no útero da Mamãe foram devido ao tabaco. Eu fumava tanto quanto mamãe. Creio que ela nem sabia disto. A gente fumava muito.

Pedi ajuda diversas vezes. O risco de aborto que minha Mãe sentia situação muito desagradável era aviso meu. Avisei várias vezes. Ninguém se deu conta. Ou não davam importância. Fumar era tão bom, era barato, tranquilizava (?), tirava a fome e ajudava a não ganhar peso. Será que alguém pensava em mim?

Durante todo o pré-natal, meus Pais foram alertados com os problemas/doenças decorrentes do tabagismo ativo e passivo. No ambulatório onde Mamãe era atendida algumas pessoas com avental branco, também fumavam.

O prazer (?) da nicotina/do tabaco é imediato, os problemas são tardios. Alguns morrem antes de saber destes problemas. Outros sofrem bastante até a morte. Para mim, pode ser o fim sem ter início…

Meus Pais continuavam fumando, fumando muito. Logicamente eu também!

Quando preocupados/ansiosos com a possibilidade de aborto, eles fumavam. Quando felizes com o meu (provável) nascimento, comemoravam fumando também. Afinal, então porque fumavam?

Precocemente nasci.  Nasci muito mal. Baixo peso, com falta de ar importante. Não conseguia mamar, grande irritabilidade, por diversas ocasiões, na sala de recuperação tive muita de vontade de fumar (dizem que isto é fissura), agitação, ficava com o corpo roxo, etc…  Eu apresentava síndrome de abstinência. Alguns de vocês talvez nem devam saber o que é isto!

Estou crescendo com asma, rinite, alergias, é um horror o que eu sinto.  Dificuldade na escola, mal em matemática, dizem até que sou hiperativo.

Agora, na Escola, meus professores também fumam! Pô, não tem saída!…

Roni Quevedo – médico.