Um teste importante ao alcance de todos

Exame simples permite identificar necessidades visuais em crianças de cinco a 14 anos

De uma forma inovadora, o teste de acuidade visual foi abordado no Diário Popular na tarde de ontem, por meio da palestra ministrada pelo médico Roni Quevedo. A atividade abriu a Semana Interna de Prevenção de Acidente de Trabalho (Sipat) e, além de chamar a atenção para a nova forma de detectar as necessidades visuais sem formação na área da saúde – em crianças de cinco a 14 anos -, capacitou os colaboradores a realizar o teste em familiares e amigos.

A tabela utilizada no exercício é conhecida popularmente por ser utilizada por oftalmologistas em geral – a Escala de Snellen. A novidade está na forma de aplicação e no que isso pode interferir positivamente no município: ele pode ser aplicado por professores, pais, parentes ou qualquer profissional que tenha passado pela capacitação semelhante a realizada com a equipe do Diário Popular.
Jair Martins, contato publicitário do Jornal, conta que suas duas filhas nunca se queixaram de dificuldades de visão, mas que após a palestra passou a se preocupar mais com o assunto. “Não conhecia a técnica e isso me estimulou a fazer o teste com as minhas filhas”, comentou. A falta de queixas, por sua vez, nem sempre demonstra a situação atual em que a criança se encontra. Em sua apresentação Roni apontou a seguinte frase: “A criança que nasce com defeito visual jamais vai se queixar de não ver bem, pois não sabe o que é a visão normal”.

O teste foi aplicado em alguns participantes da palestra, o que proporcionou um ambiente de descontração e integração entre os funcionários. Algo que, além de ressaltar a importância para a prevenção do problema, ainda contribui para que o ambiente de trabalho se torne enriquecedor em conhecimento e também nas relações.

A Sipat é organizada pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (Cipa) e terá continuidade hoje e amanhã. A saúde no trabalho será abordada hoje pela equipe do Sesc. Nela, a importância de alongamentos esporádicos em meio às tarefas do cotidiano e como isso pode contribuir para a saúde dos profissionais serão ressaltados. Já na palestra de amanhã, o tema será O caminho da autorrealização, ministrado por Roger Morales. O objetivo, além da interação, é trabalhar a motivação dos colaboradores.

Sobre a técnica
Trata-se da letra “E” virada sob diferentes perspectivas, que diminuem de tamanho a cada quebra de linha. Com o aumento da dificuldade, é possível perceber até qual nível a pessoa chega respondendo corretamente ao que demonstra na tabela. É destinado a crianças de cinco a 14 anos, mas pode servir como uma porta de entrada para qualquer pessoa. Roni Quevedo ressaltou que as observações são enviadas posteriormente a um oftalmologista que, diante do que é apontado no receituário escrito, aplica um novo teste de confirmação. A ação faz parte do projeto Vi-vendo, que está sob discussão na prefeitura de Pelotas para ser viabilizada nas Escolas Municipais e Unidades Básicas de Saúde, a princípio. De acordo com Roni Quevedo, responsável pelo projeto, já foram adquiridas 1.500 tabelas para aplicação do exercício na intenção de distribuí-las nos locais.

Fonte: Diário Popular